Lisboa,
09
Dezembro
2019
|
20:06
Europe/Lisbon

Mercedes-Benz junta-se a Pacto de Mobilidade para a Cidade de Lisboa

O Pacto tem como objetivo contribuir para uma mobilidade mais sustentável, em Lisboa, através da promoção de uma oferta e de uma procura de soluções multimodais, em primeiro lugar através da criação de condições para adoção de novos comportamentos e de nov

O World Business Council for Sustainable Development (WBCSD), a Câmara Municipal de Lisboa, o BCSD Portugal e um conjunto de empresas nacionais e estrangeiras, entre as quais a Mercedes-Benz Portugal, deram hoje um passo importante com a assinatura do Pacto de Mobilidade Empresarial (CMP) com a cidade de Lisboa assumindo o compromisso de tornar a mobilidade mais sustentável na cidade.

Esta iniciativa é uma resposta ao desafio do presidente Fernando Medina para quem “a descarbonização se apresenta como o maior desafio da nossa geração. Necessitamos de reduzir as nossas emissões e tornar todos os tipos de transporte mais sustentáveis. Todos os dias contam e todas as ações são importantes”.

O CMP irá catalisar a liderança empresarial e visa acelerar a transformação da mobilidade urbana para soluções sustentáveis. As entidades signatárias vão adotar um conjunto de medidas que contribuirão para que a cidade de Lisboa tenha um sistema de mobilidade mais seguro, acessível, ecológico e eficiente, conforme os princípios fundamentais da colaboração, do compromisso, da transparência e da segurança.

O Pacto tem como objetivo contribuir para uma mobilidade mais sustentável, em Lisboa, através da promoção de uma oferta e de uma procura de soluções multimodais, em primeiro lugar através da criação de condições para adoção de novos comportamentos e de novas soluções pelos colaboradores e, ainda, através do alargamento destas medidas a fornecedores e clientes.

“O Pacto de Mobilidade Empresarial em Lisboa define o caminho para o sucesso e necessitamos que outras empresas e outras cidades do mundo utilizem este modelo para a sua própria transformação e para apoiar o crescimento inclusivo e sustentável”, disse Peter Bakker, Presidente e CEO do WBCSD.

Segundo Miguel Gaspar, Vereador da Mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, "a cidade irá fornecer as condições necessárias para garantir que os compromissos serão mensurados e que o diálogo continue”.

“Com a nossa estratégia Ambition2039, temos como meta apresentar uma frota de veículos novos neutra em emissões de carbono até 2039. Já em 2030, metade dos veículos que comercializamos será parcialmente elétrica. Com isso em mente, estamos entusiasmados por fazer parte deste pacto com a cidade de Lisboa”, afirmou Pierre-Emmanuel Chartier, CEO da Mercedes-Benz Portugal & Managing Director Mercedes-Benz Cars.

“A transformação faz-se com persistência e com coerência, e Lisboa dá-nos um bom exemplo de ambas, quando a Câmara mantém a agenda que definiu para si própria, e quando a Câmara, as empresas e o WBCSD são capazes de materializar no presente, aquilo que já foi só uma visão de longo prazo”, disse Vasco de Mello, Presidente e CEO da Brisa, a este propósito.

“Enquanto líderes de algumas das empresas mais sustentáveis do mundo, devemos intensificar os esforços e trabalhar com outras empresas, clientes, cadeias de valor e cidades, de forma a alavancar o desenvolvimento de soluções concretas e alcançar a transformação da mobilidade sustentável”, afirmou António Mexia, CEO da EDP.

Para João Wengorovius Meneses, Secretário Geral do BCSD Portugal, “é tempo de agir. O Pacto de Mobilidade Empresarial fornece às empresas colaboração, inovação e metas ambiciosas. Esses são os meios que nos ajudarão a alcançar a nossa visão de cidades sustentáveis. Liderar com a ação, agir com rapidez e foco no impacto levar-nos-á até lá”.

São signatárias do Pacto as seguintes entidades: Accenture; Acciona; Adene; ANA - Aeroportos de Portugal; Arcadis; Banco Atlântico Europa; Barraqueiro Transportes; BNP Paribas; Brisa; Caetano Auto; Carris; Circ; Crédito Agrícola; CTT; DECO; Deloitte; DHL Express Portugal; DPD; Eaton; eCooltra; EDF Renewables Portugal; EDP; Efacec; El Corte Inglês; EMEL; Epal; EY; Fujitsu; Fundação Salesianos; Galp; Grupo Ageas Portugal; Hertz; IKEA Portugal; Imprensa Nacional Casa da Moeda; Infraestruturas de Portugal; Kia Portugal; Logistema; Lojas Francas de Portugal, S.A.; Loyal Advisory; Mercedes-Benz Portugal; Metropolitano de Lisboa E.P.E.; Millennium bcp; Nissan Portugal; PwC; Repsol; Rodoviária de Lisboa; Santander; Schneider Electric; SGS Portugal; Siemens; Siva; Tecnoplano; TIS; TramGrid; Uber e Vodafone. A este grupo poderão juntar-se outras no futuro.

Sobre o WBCSD
O WBCSD é uma organização global liderada por CEO de mais de 200 empresas líderes que trabalham em conjunto para acelerar a transição para um mundo sustentável. Apoia as suas empresas membro a tornarem-se mais bem-sucedidas e sustentáveis, concentrando-se no impacto positivo para os acionistas, para o ambiente e para as sociedades. Agrega empresas de todos os setores de negócio e das principais economias, representando uma receita combinada de mais de 8,5 triliões de US$ e 19 milhões de funcionários. A rede global de quase 70 conselhos empresariais nacionais oferece aos seus membros um alcance sem paralelo em todo o mundo. O WBCSD está posicionado de forma única para trabalhar com as empresas membro ao longo e através das cadeias de valor, proporcionando soluções de negócios de alto impacto para as questões mais desafiadoras da sustentabilidade.
Sobre o BCSD Portugal
O Business Council for Sustainable Development (BCSD) Portugal é uma associação sem fins lucrativos, que agrega e representa mais de 90 empresas de referência em Portugal, que se comprometem ativamente com a transição para a sustentabilidade. Ajuda as empresas associadas na jornada para a sustentabilidade, promovendo o impacto positivo para stakeholders, a sociedade e o ambiente. Tem uma ampla representação setorial e agrega empresas de diferentes dimensões, desde as que integram o índice bolsista PSI20 a outras de menor dimensão. O volume de vendas dos associados representa 38% do PIB nacional, 65 mil milhões de euros em volume de negócios e, este grupo de empresas, dá emprego a mais de 270 mil colaboradores.